Get Adobe Flash player

Max Heindel nos diz no Conceito Rosacruz do Cosmos que todas as Religiões de Raça eram religiões de Lei, assim como criadoras de pecado através da desobediência à lei. O propósito da Religião de Raça é dominar o Corpo de Desejos. Em Romanos cap. 3,20, lemos: “Visto que ninguém será justificado diante dele por obras da lei, em razão de que pela lei vem o pleno conhecimento do pecado”. Max Heindel diz ainda que estas religiões de raça são do Espírito Santo, e são insuficientes, pois estão baseadas na lei que produz o pecado e acarreta a morte, a dor e a tristeza. Em Gálatas cap. 3, 24 e 25 lemos: “Assim a Lei se nos tornou pedagogo para nos conduzir a Cristo, a fim de que fôssemos justificados pela fé. Mas tendo vindo a fé, não mais permanecemos subordinados ao pedagogo”. E o ser humano foi cometendo pecados e mais pecados até que foi necessária a intervenção externa para que a evolução humana não tivesse sucumbido. Moisés recebeu na montanha os Dez Mandamentos dados por Deus, que tinha sido o ideal para a humanidade naquela época. Essas religiões eram necessárias ao ser humano, para prepará-lo para a vinda de Cristo. E quando Cristo chegou disse que veio para “buscar e salvar os que estavam perdidos”. E que não viria revogar as leis de Moisés, mas cumpri-la, pois estas coisas já tinham servido aos seus propósitos. E ainda acrescentou mais dois importantíssimos mandamentos. Em Marcos cap. 12, 30 e 31 diz o seguinte: “Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu espírito e de todas as tuas forças” e “Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Outros mandamentos maiores que estes não existem”. Será que estamos cumprindo estes dois mandamentos? Vamos primeiramente definir o que é o PECADO? O pecado nada mais é, do que uma ação contrária à Lei. Uma transgressão a uma lei natural. E toda vez que alguém transgride uma lei, acaba provocando um desequilíbrio e em consequência disso temos um sofrimento. Esta dor, esse destino, é a maneira do indivíduo aprender a lição da harmonia. O pecado não é somente caluniar, ferir e magoar outras pessoas. É pecado também sermos preguiçosos, gulosos, soberbos, avarentos, etc. Aonde nós pecamos é que seremos gravemente castigados. O apóstolo Pedro disse: “O que o homem semear, isso mesmo ele colherá”. Acreditamos que poucas são as pessoas que imagina haver uma relação entre a Cura e o Perdão dos Pecados. Em São João cap. 8,34 - “Em verdade, em verdade vos digo, todo homem que se entrega ao pecado, é seu escravo”. E se isto nos acontece, perdemos nossa liberdade de ação, porque seremos amarrados por nossa própria debilidade. Em nossas relações diárias estamos sujeitos a sentimentos negativos como insultos, críticas e desapontamentos. Se respondemos a estes sentimentos estamos então, alimentando a chama do ressentimento, da hostilidade ao nosso semelhante. Isto determina uma reação dentro do nosso Corpo de Desejos e, ou desfrutamos do pecado e aguentamos as conseqüências deste ato, ou buscamos força interna para mudar os caminhos de nossa conduta. Porém muitas vezes esta atitude pode deixar cicatrizes emocionais. Um bom hábito é não reagir emocionalmente diante de uma situação ou circunstância desequilibrante ou de uma provocação. E se não reagimos emocionalmente, não estaremos implicados em suas conseqüências. O pecado ou a transgressão afeta a saúde. Platão afirmou que jamais deveríamos tentar curar o corpo sem antes fazê-lo com a alma. Muitas pessoas acreditam que porque sofrem por causa da conduta de alguma pessoa ou porque nasceram numa classe menos privilegiadas é devido a um castigo de Deus. Porém esquecem que estamos quebrando as Leis da Natureza, e acabamos por culpar a “vida” por nossas desgraças, mesmo sem antes averiguar as causas deste sofrimento. Todos nós estamos sujeitos a Lei de Causa e Efeito, e por isso devemos aprender com nosso destino diário a não repetir as mesmas condutas erradas e construir um amanhã melhor, tanto para nós como para nosso irmão. Existem três requisitos necessários para alcançar o PERDÃO DOS PECADOS: 1) ARREPENDIMENTO: é o reconhecimento de algo mal feito, é uma mudança da mente e do coração em relação ao ato do pecado. É elevar-se acima do Eu inferior e estabelecer um controle sobre as próprias emoções. Lembrando que o remorso exagerado é prejudicial e nocivo para nós, pois acaba por debilitar as correntes do corpo de desejos e em contra partida afeta as glândulas endócrinas trazendo muita dor e desgraça. Se a cada um de nós é dada uma missão aqui na Terra, e se estamos evoluindo como foi planejado pelo nosso Grande Criador; então, nós como estudantes destes ensinamentos devemos tentar responder a este plano divino. Mas só o arrependimento não é suficiente para o recebimento da Graça, pois quem pára por aqui fica apenas na intenção. Precisamos do segundo requisito que é a Reforma. 2) REFORMA: E como o próprio nome diz é restaurar, renovar, reconstruir. É uma mudança para uma atitude nova ou melhorada. É converter a atitude em algo belo. Isto acontece quando o indivíduo transmuta seus maus hábitos em virtudes. E quando o ser humano se transforma internamente e acaba por haver uma mudança total em sua vida. Está implícita neste requisito da reforma uma prova de valorização e paciência em que nós estaremos trabalhando na reforma de nosso caráter. 3) RESTITUICÃO: O próprio nome diz é restituir, devolver, pagar aquilo que devemos a outro. Isto é, quando prejudicamos alguém, devemos compensar de alguma forma o mal causado. Se não pudermos fazê-lo por ausência ou outra razão que nos impossibilite de reparar o mal causado; devemos fazê-lo SERVINDO outras pessoas ou então enviar pensamentos de harmonia e oração para que a pessoa “prejudicada” tenha material etérico suficiente que possa ajudá-la. Lembrando que esta é a tônica da Fraternidade Rosacruz - SERVIÇO. Que o serviço amoroso e desinteressado aos demais, nos faz tomarmos consciência da UNIDADE. Tornando-nos UNOS com toda a criação, seremos incapazes de ofender ou prejudicar alguém. Cristo disse que devemos perdoar setenta vezes sete. E se praticarmos este perdão tantas vezes assim, estaremos buscando o equilíbrio de todos os nossos veículos e fortalecendo os nossos éteres superiores. Nós nos libertamos dos pecados quando em nossa consciência admitimos o erro e nos propomos a não mais repetir a falta cometida. O desenvolvimento desta consciência só poderá ocorrer com o exercício de retrospecção. Pois se procurarmos praticar este exercício diariamente e com sinceridade, estaremos limpando o nosso átomo-semente das gravações indesejáveis, e assim estaremos evitando o sofrimento do purgatório e também estaremos ajudando outros Egos retidos no Mundo de Desejos inferior que estão necessitando que lhe indique o caminho da saída para outros lares superiores. Deus não é vingativo como algumas pessoas acham. Em Sua maravilhosa misericórdia por nosso bem-estar, Deus nos deu o AMOR que é mais elevado do que a lei, uma vez que as leis são imutáveis. Esta doutrina não vai contra a lei de conseqüência, mas sim vem a complementar. Mas com a aplicação desta lei superior, que é o Amor, Cristo abriu o caminho do arrependimento e da reforma. Pelo qual podemos obter o perdão dos pecados. Se não aplicamos esta lei superior, teremos que esperar pela morte e que nos obrigará a liquidar nossas dívidas. O verdadeiro perdão significa tolerar as fraquezas em nós e nos outros. É produto de força espiritual interna. Para conhecer o verdadeiro perdão é preciso ter uma mentalidade livre de egoísmo. Lembremos as palavras de Cristo: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem”. Se formos sábios e aproveitarmos toda ajuda disponível que nossos Irmãos Maiores nos dão estaremos sofrendo menos. Portanto estaremos seguindo menos a vontade carnal que está relacionada ao Mundo Físico. Se começamos cada novo dia perdoando a todos, inclusive nós mesmos, se nos exercitamos no Poder do Perdão, poderemos alcançar a Luz e sermos capazes de acender a “chama da verdadeira Fraternidade Espiritual, que é o bálsamo de Gileade, a única panacéia para as angústias do mundo”. “Que as rosas floresçam em vossa cruz”

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar