Get Adobe Flash player

OS 3 GRAUS DO DISCIPULADO

 

Os 12 discípulos foram divididos em 3 agrupamentos de acordo com sua preparação e desenvolvimento no discipulado. Estas 3 divisões podem ser listados como segue:

  • Grau Mestre

Os 3 pilares: Tiago Maior, Pedro (Simão) e João.

  • Grau Fraternidade

André, Tomé, Mateus, Filipe e Natanael (Bartolomeu)

  • Grau Aprendiz

Tiago Menor (o Justo), Judas Tadeu, Simão e Judas Iscariotes.


Maria Salomé irmã da Virgem Maria casou com Zebedeu de Carfarnaum, um homem abençoado com abundancia em ambos, material e espiritual. Salomé e Zebedeu junto com seus 2 filhos Tiago e João eram muito queridos no coração de Jesus Cristo. Esta família estava entre os seguidores mais devotos. Zebedeu dispendeu tempo e dinheiro para a causa do novo Cristianismo, enquanto Salomé cuidava das necessidades físicas dos discípulos. A lenda relata que Salomé acompanhou Maria e Jose nem sua arriscada fuga para o Egito. Ela é também proeminente entre as mulheres discípulas ao longo da narrativa do evangelho.

 

 

Os 3 mestres Tiago, Pedro e João.


Tiago, Pedro e João compunham o circulo mais interno de Discípulos chamado de pilares porque eram avançados o suficiente para receber os ensinamentos esotéricos mais profundos dado por Cristo.

Contundência, poder e força eram as palavras chaves do caráter de Tiago. Antes de suas transformações em graças espirituais, estes muitos atributos produziram muitas reações não-Cristãs. Por exemplo, ordenou que fogo viesse do Céu para destruir um vilarejo que não queria receber o Mestre; também sua solicitação pelo lugar mais proeminente no reino.

Tiago aprendeu rapidamente, contudo, a seguir o caminho onde a vingança é suplantada pelo Amor, percebendo que ninguém pode receber qualquer benefício permanente que não seja ganho pelos esforços pessoais. Após sua iluminação ele disse que seus pensamentos respiraram e suas palavras queimaram.

 

O destemor absoluto de Tiago conjugado com a dedicação sincera para com as causas do Mestre antecipou o seu discipulado. Ele ganhou o profundo e permanente amor de Maria, Mãe de Jesus. Por causa de seu fervoroso zelo, Tiago foi o primeiro discípulo a viajar em terras estrangeiras levando a gloriosa mensagem de Cristo, o primeiro a seguir o seu Senhor ao martírio. Desdenhando todos os perigos físicos estabeleceu para Espanha a primeira terra estrangeira a receber a mensagem de Cristo.

Uma das supremas dádivas do discipulado é saber verdadeiramente que não existe tempo ou distância para o espírito. Tiago teve o privilegio de se aconselhar com a amada Maria de quem recebeu orientação e direcionamento. Muitas vezes ele teve sua proteção em ocasiões de stress e de crise.

Sobre seu retorno dos trabalhos da Espanha, abençoado e santificado foi sua feliz reunião em Éfeso de Tiago com seu irmão João e a Divina Dama. Eles estavam cientes de que os dias de camaradagem no mundo exterior estavam chegando a um fim e que o retorno de Tiago para Jerusalém significava a preparação de seu martírio.

Maria foi transportada em espírito para a cena de seu martírio. Com uma série de ministério de anjos Maria assistiu e apoiou Tiago na hora de sua transição. Morte pode manter sem terror consciência de Iniciado, para tal aprendem a participar conscientemente das águas da Vida Eterna.

Alegremente fez este nobre espirito colocou de lado seu vestuário de carne. Cercado de gloria transcendente dos Anjos envolvido na radiação e benção da Virgem, ele também pode entoar o mesmo choro triunfante da compreensão direta como assim fez o outro ungido de Deus um pouco mais tarde. “Oh morte onde tu piscaste? A sepultura onde está tua vitória?

Segundo Pentecostes Tiago tornou-se líder da igreja em Jerusalém. Sua contundência, força e poder agora transmutadas para qualidades espirituais floresceram em tal beleza da vida e ação que quando Herodes irmão de Herodias que causou a decapitação de João Batista desejou suprimir a heresia do Novo Cristianismo, a figura imponente de Tiago tornou-se o principal alvo de suas hostilidades. Apenas 14 anos após a Crucificação, Tiago seguiu seu Senhor para libertação da cruz do martírio.

De acordo com os escritos de Clemente de Alexandria citado por Eusébio, Tiago tinha transmutado completamente seu espírito de vingança em compaixão que o homem que o entregou para Herodes ficou inspirado pela nobre atitude de Tiago tornando seguidor e foi recebido pela fraternidade da pequena igreja Cristã. O ultimo ato terreno de Tiago foi outorgar uma benção sobre este homem; e suas ultimas palavras endereçadas para Herodes foi “Que a paz esteja em ti”.

 

João

João foi o idealista entre os discípulos. Ele foi o mais elevadamente desenvolvido entre os 12, e seu evangelho é o mais profundamente esotérico de todos que sobreviveram. Apenas os Capítulos 14-17 contem ensinamento escrito referente a mais alta religião a suceder o Cristianismo – conhecido pelos esoteristas como a Religião do Pai –    que chamará seus discípulos para o reino do Divino Espírito. Maria, mãe de Jesus e João, seu amado discípulo, foram os únicos avançados suficientemente para contatar estas elevadas verdades. Uma pista deste fato aparece na cena aos pés da cruz quando Jesus apela a Maria cuidar de João como se fosse seu filho (em seu lugar) e diz a João para cuidar de Maria como se fosse sua própria mãe assim claramente nomeou João Seu sucessor na Terra.

 

Pedro foi designado como apóstolo ou emissário para o oeste bárbaro, onde seu caráter rude e simples, inteligência assertiva fez dele um líder e professor ideal. João culto e erudito falava a língua dos filósofos Helênicos, foi enviado para estabelecer sua escola em Éfeso, com seu conhecimento de civilizações ancestrais.  É dito que Maria peregrinou com ele por um tempo. João é um grande apostolo da Gnose. Na nova era ele terá seu lugar no Mundo da Cristandade que Pedro tem ocupado durante a Era de Peixes na Cristandade da Europa.

A partir do filho do Trovão, João foi transformado em perfeito exemplo do mundo de amor encarnado. Sua humanidade foi purgada e saneada em toda chama consumidora do amor. Seu trabalho mais notável fora de seus escritos foi fundar a igreja em Éfeso – que foi depois liderado por João Presbítero e que trouxe à cena Policarpo (de Esmirna) e Inácio, dois dos mais ilustres cristãos prévios.

Existiu uma lenda apócrifa relata que durante o reinado Dominiciano, João foi preso e trazido antes do imperador que o ordenou  tomar o veneno mortal. Domiciano queria aprender se este Mestre sobre quem João ensinou protegeria ou não o seu Discípulo. Assim que João pegou o copo, ele disse: “Em teu nome, Oh Cristo eu tomo esta poção. O veneno  Tu queres misturar com o Santo fantasma e irá se tornar em copo da vida eterna.” Ele então o bebeu e permaneceu calmo e ileso. Quando um prisioneiro foi trazido e deram-lhe a mesma poção ele morreu em convulsão quase que instantaneamente. Por causa desta lenda uma arte sacra foi retratada de João abençoando um pequeno dragão alado que ergueu sua cabeça de um cálice. Esotericamente, isto nos lembra que o Evangelho de João é correlato com a hierarquia zodiacal de escorpião e do mistério da regeneração, por meio do qual o veneno letal no sangue é transmutado em elixir da vida.

A lenda continua ao dizerem que o temor supersticioso do Imperador mudou a sentença de morte de João para banimento em Patmos, ilha onde ocorreu sua grande iniciação como descrito em Revelações. Em consequência da morte de Dominiciano, Trajano, seu sucessor permitiu que o reverenciado exilado retornasse para Éfeso. A história relata que João em sua ultima reunião com seus seguidores, o homem mais jovem carregou o venerável apóstolo em seus ombros até o local do encontro onde todos poderiam reverencia-lo uma vez mais.  Em sua chegada ele estendeu sua mão em benção sobre o grupo reunido e deu a todos uma ordem de despedida: “Crianças amem-se uns aos outros”.

Quando João soube que chegou a hora de seu passamento, ele indicou Policarpo para sucedê-lo como líder de sua igreja. Então ele ficou olhando o céu e glorificando Deus. Como os discípulos falecidos eles viram-no encerrando-se junto aos demais.

Em sua fase inicial utilizada para descrever o processo pelo qual o profeta eleva o ritmo vibratório de ambos, consciência e corpo então ele fica imune a fome, frio, doença e qualquer outro aspecto negativo da existência física. Esta técnica de espiritualização pode continuar até que a substancia física se desintegre ou fique invisível.  O auto escalamento completo pertence apenas aos Grandes Mistérios.

Quando os discípulos retornaram no dia seguinte João não estava mais lá. Foi encontrado apenas seu manto e suas sandálias. Porém onde ele tinha erguido uma última fonte de água que jorrava, eles recordaram das palavras do Mestre para Pedro: — Se eu quiser que ele viva até que eu volte, o que é que você tem com isso? (João 21:22)

Este é talvez a mais bela descrição de todas as traduções da Terra em espírito puro. O discípulo aprendeu a superar a morte. Num inquebrantável estado de consciência passou da Terra para o Céu.

João o mais amado do Cavalheiro Cristo, o mais espiritual de seus discípulos fez esta gloriosa demonstração como supremo ideal a ser realizado eventualmente pela raça humana inteira. Ele foi o primeiro após Cristo a manifestar vida eterna daquelas Aguas o Mestre lhe deu para beber. Ele deixou esta fonte original com seus próprios discípulos em Éfeso.

 


Pedro

É dito que Pedro era alto e robusto com penetrantes olhos cinza.  Seu pesado cabelo negro circundava sua larga testa em cachos triplos como uma tiara. Ele foi um dos mais importantes e talvez o mais pitoresco dos 12 imortais.

O nome Simão significa “ouvinte compassivo”. O novo nome outorgado sobre ele por Cristo foi proporcionado com sua espiritualidade em evolução  - por Cephas ou Pedro, significa Rocha.

Maior, impulsivo, inconstante, temeroso são as palavras chaves que descrevem o humano Simão. Valente, destemido, leal, determinado até a morte. Estes são os principais traços do caráter do espiritual Pedro. Entre estes 2 extremos estabelece-se um caminho sombreado pela dor, humilhação e fracasso tais que poucos tenham experimentado. Mas foi o caminho da iniciação onde as deficiências humanas de um homem fora transformado em atributos espirituais de um super-homem.

O incansável, mudança das marés o qual Pedro dispendeu boa parte de sua vida parece pulsar em seu sangue. Simão, o discípulo prévio, foi verdadeiramente o homem da agua. Foram pesadas as tempestades e ferozes as marés necessárias para afetar a metamorfose do “homem onda” para o “Homem Rocha”.

Na negação é para ser encontrado o primeiro grande incentivo da gradação da envergadura espiritual. Quanto mais escuro a sombra, mais brilhante a luz. Como mencionado antes, Pedro nunca escutou o galo cantar sem verter lágrimas e novamente implorar por perdão. Do começo ao fim de sua vida ele avidamente acolheu toda forma de perseguição como penitencia pela traição ao seu Nobre Senhor.

Após a negação Pedro retornou ao Getsemani cena de provação recente de seu Mestre e o Jardim se tornou novamente local de Agonia. Foi aqui que o verdadeiro Pedro nasceu. Ele veio diante de digna promessa: “tu és Pedro e sobre esta rocha construirei minha igreja.”

Tão prodigiosos eram os poderes do novo Pedro que doenças foram curadas quando sua sombra passou sobre eles. Ele sempre respeitou sua presença que produziram múltiplas bênçãos. Sua humildade cresceu ainda mais com sua grandeza. O Mestre reprovou sua arrogância no ritual do Lavapés mas pelo seu profundo arrependimento pela negação (de Cristo) aprendeu bem sua lição de humildade. Em sua primeira Epístola ele adverte seus discípulos para se vestirem com humildade. O espírito da humildade predominou até o fim de sua vida. Ele mesmo pediu para ser costurado na cruz do martírio de ponta-cabeça, pois ele era indigno de morrer da mesma forma que o seu Nobre Senhor.

Pedro adentrou num grande acontecimento inesperado na sua transferência ao circo de Calígula de Roma, onde muitos cristãos valentes sacrificaram suas vidas em nome da Fé.

(Extraído da Revista Rays).

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar