Get Adobe Flash player

Nos últimos anos, a mediunidade tem se tornado um termo comum e de muito interesse pelas pessoas, especialmente em determinados países, como Brasil, Cuba e Jamaica. Outros países também demonstram grande interesse por esta temática, mas são estes três que concentram a maior proporção de adeptos ao desenvolvimento da mediunidade. Por isso, é importante sabermos a natureza da mediunidade e os efeitos que ela gera sobre os Corpos do ser humano. Mas antes, faz-se necessário definir o que é este fenômeno e como ele pode se manifestar. Também é importante relembrar o estudante sobre propósito pelo qual o ser humano desenvolveu seus diferentes Corpos, pois é exatamente este propósito que fornece sentido para o alerta que o presente artigo tem o objetivo de realizar. A mediunidade é entendida como: a capacidade de comunicação passiva entre pessoas encarnadas e desencarnadas. Esta faculdade seria inerente a todos os seres humanos, no entanto, somente aqueles que possuem um grau maior desta faculdade é que podem ser considerados como médiuns. O francês Allan Kardec documentou diversos tipos de comunicação passiva entre vivos e mortos, dentre eles destacamos a escrita ou psicografia, a comunicação oral ou psicofonia, a capacidade de ver e ouvir espíritos ou vidência, mediunidade receitista – que seria a capacidade de servir como intérpretes aos espíritos para prescrições médicas e médiuns de cura. Há outros fenômenos mediúnicos, tais como acontecimentos de ordem física, não causados por pessoas vivas, mas estes não serão descritas no presente artigo. Agora que a mediunidade foi definida, é importante passarmos para a descrição do propósito do desenvolvimento dos Corpos do ser humano. De acordo com a Filosofia Rosacruz, Deus criou, para a humanidade, Mundos ou campos de evolução para que pudessem se desenvolver e expressar. Quando Deus criou o ser humano, estes não tinham nenhuma consciência individual, tal como possui atualmente, mas possuía uma consciência coletiva e integrante a Sua vida, assim como as células de nosso Corpo Físico é integrante e respondem a vontade do Ego (o Espírito em manifestação). A Filosofia Rosacruz nos ensina que o propósito da evolução humana é desenvolver-se até o ponto de tornar-se um Deus dinâmico e criador, de modo a ganhar mais e mais consciência dos Mundos, e isto é medido pela capacidade de domínio dos materiais de um determinado Mundo. Os Mundos criados por Deus são 7, ao todo, a saber: (1) Mundo de Deus; (2) Mundo dos Espíritos Virginais; (3) Mundo do Espírito Divino; (4) Mundo do Espírito de Vida; (5) Mundo do Pensamento; (6) Mundo do Desejo; e (7) Mundo Físico (veja mais detalhes no capítulo I do Livro “O Conceito Rosacruz do Cosmos” de Max Heindel). Atualmente estamos trabalhando somente com 3 destes 7 Mundos, quais sejam: (5) Mundo do Pensamento; (6) Mundo do Desejo; e (7) Mundo Físico. Para cada um deles, temos Corpos que nos permite expressar e trabalhar com seus materiais em maior ou menor grau. Mas nem sempre foi assim. Quando começamos nossa peregrinação, não tínhamos nenhum Corpo. Com muita ajuda de seres avançados, iniciamos o trabalho de construção destes Corpos. Somente assim, o Ego poderia se expressar nos mundos criados por Deus, e se desenvolver. O primeiro e mais antigo Corpo desenvolvido foi o Corpo Físico, ou Corpo Denso. Por isso ele é atualmente o Corpo que a maior parte de nós utiliza para expressar uma consciência de vigília no Mundo Físico. O segundo Corpo desenvolvido foi o Corpo Vital. Este Corpo é utilizado como veículo de consciência de vigília no Mundo Físico e método de aquisição de novas experiências apenas por pessoas que já se avançaram a um nível superior ao da grande maioria das pessoas. Repare que, apesar de invisível para alguns, o Corpo Vital ainda pertence ao Mundo Físico e está interligado em maior ou menor grau ao Corpo Físico. Foi exatamente o efeito do desprendimento do Corpo Vital do Corpo Físico, no momento da morte, que o Dr. McDougall conseguiu mensurar em 1906. Neste experimento, o cientista demonstrou que na morte, o Corpo Físico fica mais leve. Até hoje, muitos acreditam que o Dr. McDougall pesou a alma das pessoas que morrem, mas sabemos que é impossível mensurar fenômenos não físicos com equipamentos que nada podem fazer, além de mensurar efeitos que obedecem as leis físicas. A alma não está sujeita a lei da matéria química. Do mesmo modo, a máxima que diz “Deus é Espírito e em Espírito deve ser adorado” revela que se fosse correto adorar a Deus com matéria física, bastaria fazermos sacrifícios físicos, como nossos antepassados tiveram que fazer no Templo e muitos ainda insistem em fazer, com longas caminhadas e ofertas materiais deixadas em igrejas. Mas essas ações materiais não podem aumentar nossa consciência e domínio espiritual. O terceiro Corpo que desenvolvemos foi o Corpo de Desejos, responsável por dar-nos incentivo para ação. Sem ele, não haveria crescimento anímico ou moral. Por último, desenvolvemos a Mente, que nos permitiu criar um cérebro e uma laringe para expressarmos pensamentos e palavras aqui no Mundo Físico, utilizando o nosso Corpo Físico. Note, pois, que todo o trabalho foi realizado teve o propósito de fazer a humanidade adquirir CONSCIÊNCIA DE VIGÍLIA e expressar sua VONTADE PRÓPRIA. No estado de vigília, todos os Corpos do ser humano acham-se confinados dentro do mesmo espaço e interligados de modo sincrônico. Isto é o que permite o Ego se expressar adequadamente e de modo ordenado, direcionando todos os seus Corpos a seu serviço e no mesmo sentido. Com sua Mente, pode utilizar materiais mentais do Mundo do Pensamento; com seu Corpo de Desejos, pode utilizar materiais emocionais e sentir, além de motivar-se para esta ou aquela direção; com seu Corpo Vital, pode fornecer a vitalidade necessária para acelerar as vibrações químicas e trabalhar com os éteres da Região Etérica do Mundo Físico; por fim, com seu Corpo Físico realiza as ações. Pessoas que possuem conexões altamente intensas entre todos estes Corpos são aquelas que não possuem faculdades espirituais. Já aquelas que possuem alguma frouxidão de Corpos são os chamados sensitivos, capazes de responder a certas vibrações espirituais. Daqui podem surgir duas classes de sensitivos: (1) os médiuns, também conhecidos na Filosofia Rosacruz por clarividentes passivos, negativos ou involuntários; (2) e os clarividentes ativos , positivos ou voluntários . Apesar dessa frouxidão de Corpos que é comum entre ambas as classes de sensitivos, há uma importante distinção entre eles, especialmente no Corpo de Desejos. Essa distinção se refere a cinco pontos de influência sobre este Corpo, a saber: um é comum ao médium e ao clarividente, os demais são distinções relevantes que revelam o extremo perigo de se desenvolver mediunidade. Estudos internos revelam que o material que compõe o Corpo de Desejos não é estático como é o do Corpo Físico, mas volátil e permanece em constante movimento. O material que ora esta na parte correspondente à cabeça física, momentos após, chega à parte correspondente aos pés e continua a mover-se. Estes movimentos seguem padrões de percurso e velocidade parcialmente determinados, de acordo com o estado emocional momentâneo e habitual da pessoa. Estes padrões são como correntes, assim como o ar e a água seguem correntes em seu movimento. Na Filosofia Rosacruz são chamados de vórtices. Diferentemente do ser humano comum que não possui sensibilidade espiritual, os sensitivos podem possuir correntes muito intensas em seu Corpo de Desejos, isto é, um padrão vibratório forte. Isso foi bem ilustrado por Max Heindel nos desenhos que esboçou no Capítulo II do livro “O Conceito Rosacruz do Cosmos”. O segundo ponto, também bem explorado e que constitui a primeira discrepância dos Corpos entre as duas classes de sensitivos, refere-se ao padrão em que as correntes fluem. No médium, o sentido é anti-horário de movimento ou da direita para a esquerda. No clarividente voluntário, o sentido do movimento é o da esquerda para direita. Assim, a potência do fluxo faz com que a pessoa tenha percepção das coisas no Mundo do Desejo, mas é o sentido que determina e revela se a pessoa possui domínio desta percepção. Conforme já mencionado, o ser humano desenvolveu seus Corpos para poder expressão sua VONTADE e adquirir consciência e domínio dos materiais dos Mundos criados por Deus para ele. Assim, quando o ser humano construiu seus Corpos, teve que interligá-los e, a partir disto, conseguiu despertar sua consciência individualizada para exercitar sua própria vontade para adquirir experiência. Obedecendo este propósito, o padrão do fluxo de fluência das correntes do Corpo de Desejos, necessariamente, fica da esquerda para direita, ou seja, no sentido horário. Na mediunidade, este padrão é oposto, revelando a passividade da pessoa à vontade alheia. Além disso, os verdadeiros médiuns são escravos de sua faculdade. Mesmo aqueles que procuram empregar parte da sua vontade com coisas superiores e cristãs, no momento em que entram em contato com os espíritos, ficam a mercê da vontade alheia e sua própria vontade (seu poder espiritual mais precioso) some!. Um terceiro ponto muito importante e não tão explorado, mas que deve ser sublinhado refere-se à origem do fluxo das correntes do Corpo de Desejo. Esta origem é exatamente na região correspondente ao fígado físico. Bem sabemos que os Seres Marcianos é que derramam influências de energia dinâmica em todo o sistema solar. E a ferritina, que é uma proteína de reserva de ferro, encontrada especialmente no fígado, é que permite o ser humano a corresponder a essa energia, que é a principal função do Corpo de Desejos, isto é, motivar a ação. No caso da pessoa que desenvolveu sua sensibilidade pela vontade própria, além da corrente do seu Corpo de Desejos girarem no sentido horário, os mesmas partem da região do fígado para fora. Em outras palavras, o fluxo vai de dentro para fora. Este é um sinal de pessoas que possuem vontade própria, pois é de dentro que o Ego comanda seus Corpos. Max Heindel escreve, no segundo capítulo do Conceito Rosacruz do Cosmos: “Quando o organismo evolui ao ponto de o espírito separado poder começar a entrar em seus veículos, então (o espírito individual) começa a dirigir as correntes – DE DESEJOS - para fora”. Por outro lado, seres inferiores ao ser humano, como animais que possuem “sangue frio, que têm fígado e sangue vermelho e existe um Corpo de Desejos separado, o Espírito-grupo dirige as correntes (DO CORPO DE DESEJOS) para dentro, porque, neste caso, o espírito separado (do peixe ou do réptil individual, por exemplo) está completamente fora do veículo denso”. Assim, o comando vem de fora do ser. Na mediunidade, ocorre exatamente este fenômeno. Isto é, não é o Ego que comanda o comportamento durante a manifestação mediúnica, mas sim espírito desencarnado. Assim, naquele momento, as correntes de desejos passam a fluir de fora para dentro do fígado, tornando seu fluxo muito inferior ao esperado para padrão consciente do estado evolutivo do ser humano. Um quarto ponto a ser abordado, refere-se à natureza dos espíritos que normalmente permanecem percorrendo, ainda que de modo invisível, a região química do Mundo Físico. Obviamente que estes não estão nesta região, pois perderam seu Corpo Físico, mas ficam influenciando as pessoas vivas e mantendo rotinas físicas. Estes espíritos normalmente se apegaram tanto a vida terrena que não conseguem responder a ajuda oferecida que objetiva direcionar seu rumo nos planos internos. Assim, estes espíritos ficam apegados a terra. Alguns deles chegam a assumir personalidades famosas ou se passam por guias espirituais e mentores, aproveitando-se da ingenuidade dos médiuns que acreditam estar realizando benfeitorias a estes espíritos. Em verdade, qualquer pessoa, desencarnada ou não, uma vez consciente de que precisa de ajuda e que numa situação de humildade faz este pedido, automaticamente se sintoniza aos auxiliares espirituais e atrai para si verdadeira ajuda. Não é necessária uma manifestação passiva de entrega dos corpos a entidades espirituais para que uma ajuda chegue até o desencarnado necessitado. Deste modo, não é a força exterior que promove a ajuda, mas a própria condição de solicitação sincera e reconhecimento dessa necessidade que o faz. Além disso, os espíritos desencarnados que se aproveitam dos médiuns que gratuitamente se colocam a sua disposição, se beneficiam por demais da energia dos vivos, utilizando os médiuns de acordo com a frouxidão de seus Corpos. Isto pode causar desordens psíquicas importantes, às vezes difíceis de serem contornadas. Daqui fazemos a ponte para o último ponto do presente artigo. Caso a sessão mediúnica esteja rica de médiuns que tenham frouxidão entre Corpo Físico e Vital, haverá materiais suficientes para ocorrência de materialização e promoção de fenômenos de ordem física. Tanto essa frouxidão quanto a frouxidão de Corpo Vital e de Desejos promovem sutis perdas cognitivas e passividade emocional. Já frouxidões entre Corpo de Desejos e Mente, normalmente e independente de manifestações mediúnicas, já promovem desordens psíquicas importantes. Mas se a pessoa ainda se submeter a este desenvolvimento, às vezes incentivado por outras pessoas também ingênuas, podem contribuir para expressão de comportamentos selvagens e obsessões de espíritos vingativos e nefastos que geram atrocidades absurdas. Por fim, quando a frouxidão ocorre entre o Ego e a Mente, haverá casos psicopáticos em que os propósitos maléficos são astutamente ocultados e planejados friamente, até que o momento adequado de agir chegue. Estes são os tipos de obsessões que ocorrem o tempo todo. Por ser o Brasil um dos países que mais há proporção de pessoas interessadas em mediunidade, as escolas sérias de ocultismo, como é a Fraternidade Rosacruz, tem a obrigação de orientar sobre os perigos deste assunto. Como conclusão, vale a pena citar na íntegra a mensagem que Max Heindel nos deixou: “A lição que nos fica da matéria acima é que devemos sempre manter-nos senhores de nós mesmos e NUNCA, sob nenhum pretexto, permitirmos que qualquer agente externo nos hipnotize ou controle (seja vivo ou morto). O autodomínio é nossa meta, não o domínio sobre os outros”. “Que as rosas floresçam em vossa Cruz”.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar